0

KRIS, Dagger

ca. 1476-1525

Indonesia/Malaysia

Steel, marble, wood, silver

Full Length: 46, 5 cm; Blade Length: 34 cm

The defining characteristics of this Malay Kris of the eponymous peninsula are the uncommon shape of its blade, the fragility of the material in which the hilt is made and its decorative simplicity. Elements which permit to attribute to it not only an approximate date between the 15th and 16th centuries but also confer it a ceremonial function more so than as a combat weapon.

The straight blade shape or Dapur Bener in Kris is only known in pieces dating from the 13th century – Kris Majapahit – being their oldest representation in sculpted friezes in the Temple dedicated to Shiva of Candi Penataran (1197-1454 B.C.E.) in the eastern area of the island of Java.

In the case of this piece, the double edged blade in watered steel with a pamor or pattern of the “cloud” type reveals a slight curve which leads us to classify it as a later piece. Its fittings are of great technical quality, showing the care with which it was kept through various generations.

The hulu or Garuda, bird-man vehicle of the god Vishnu, shaped hilt, is made of marble, which is quite unusual due to the fragility of this material.

The pendok (covering of the gandar or scabbard) is made of wood and is completely covered with repoussé and chiselled silver with an organised decoration: at the top a theme of foliage in a chiselled rectangular cartouche in high-relief, and in the lower area a repetition of broken lines intercalating plain areas with a vegetal themes pattern.

At the mouth there is the boat or wrangka made in dark polished wood with the typical shape from the Malay Peninsula.

Bibl.: Cameron Stone, 1999, p. 382-394, fig. 482/14

KRIS, Adaga

ca. 1476-1525

Indonésia/Malásia

Aço, mármore, madeira, prata

comp. Total: 46,5 cm; comp. lâmina: 34 cm

As características marcantes deste Kris Malaio das Índias Orientais são definidas, pela forma invulgar da sua lâmina, a fragilidade do material em que está construído o punho e a sua simplicidade decorativa.

[dcs_p]Elementos, que permitem em conjunto, atribuir não só uma datação aproximada entre os séculos XV e XVI, como conferir-lhe uma função mais de carácter cerimonial do que bélica.[/dcs_p]

A forma de lâmina recta ou dapur bener, só é conhecida em exemplares datados do século XIII – Kris Majapahit -, surgindo a representação mais antiga destes em frisos esculpidos no Templo de Candi Penataran dedicado a Xiva (1197-1454 A.C.), na zona Este da ilha de Java.

No caso deste exemplar, a lâmina de duplo gume em aço damasquino com um pamor, padrão, do tipo “nuvens”, denuncia já uma ligeira curva, o que leva a classificá-la com uma data um pouco posterior. A sua montagem é de grande qualidade técnica, evidenciando o apreço com que foi mantida ao longo de várias gerações.

O hulu ou punho em forma de Garuda , a ave divina do deus Vishnu, está trabalhado em mármore, o que é bastante invulgar face à fragilidade deste material.

O pendok, revestimento do gandar ou da bainha, é de madeira e está totalmente revestido a prata, repuxada e cinzelada, com uma decoração organizada: no topo, com um tema de folhagens inserido em reserva rectangular, cinzelada em alto-relevo, e na zona inferior com uma repetição em linhas quebradas e alternadas de superfícies lisas, com sucessivo padrão de temática vegetalista.

Na boca, surge o barco ou wrangka, realizado em madeira escura, polida, com a forma típica da península da Malásia.

Bibl.: Cameron Stone, 1999, p. 382-394, fig. 482/14
Click to share thisClick to share this